sexta-feira, 18 de agosto de 2017

De Oceano a Oceano, de Costa a Costa, um memorável Eclipse Total do Sol varrerá os Estados Unidos da América do Norte, nesta segunda-feira!


Olá!

Um eclipse total solar
é algo tão maravilhoso
que não temos palavras
que possam realmente
traduzir nossa emoção
diante daquilo que penso
que seja 
o espetáculo mais belo 
que nossos céus nos oferecem!

Bem, Caro Leitor,
esse espetáculo ímpar, 
esse fantástico momento de totalidade,
não acontecerá para nossos olhos brasileiros
e sim para os olhos dos habitantes 
do coração da América do Norte,
de Oceano a Oceano,
de costa a costa,
coast to coast,
que presentão!

No entanto,
Estados brasileiros mais ao norte
e ao centro do país
poderão acompanhar
o eclipse solar acontecendo 
em graus diferenciados de parcialidade
- e de forma segura, 
protegendo sempre a visão
com óculos especiais
(e jamais óculos comuns de sol
e
 jamais olhando diretamente para o Sol
sem a necessária proteção para a visão,
para os olhos!) 

Este eclipse solar total
do dia 21 de agosto
acontecerá muitíssimo próximo
ao coração do Leão,
ou melhor,
estará acontecendo bem ao lado
de sua estrela-alpha, Regulus,
o Pequeno Rei!


E, se você bem perceber,
Caro Leitor,
não somente Regulus, o Pequeno Rei,
a estrela-alpha Leonis,
estará testemunhando
esse belíssimo espetáculo...,
porque estaremos encontrando
Mercúrio ao sul da Linha da Eclíptica
e Marte ao norte da Linha da Eclíptica
também atuando
como coadjuvantes
desta cena acontecendo no palco celeste
e tendo como protagonistas
a Lua e o Sol!

Eu penso
que Regulus e Mercúrio e Marte
poderão ser observados,
sim,
quando da escuridão plena
que a Lua fará acontecer ao Sol!




Stellarium




O Eclipse total do Sol
é um espetáculo realmente fascinante,
inesquecível!


Realmente, 
esse espetáculo ao vivo e em cores
é inteiramente diferente
das cenas que vemos acontecendo
nas filmagens que nos vão sendo apresentadas!
Quer dizer,
as filmagens nos ajudam a bem acompanhar o evento,
é claro,
porém nos retiram os doces sabores
das situações que tento descrever mais abaixo:

Quando acompanhamos o evento celeste
da Lua buscando encontrar-se com o Sol 
- em um Eclipse total -,
a princípio a gente parece não exatamente acreditar
que a Lua conseguirá realmente esconder o Sol por inteiro!

Vagarosamente, acompanhamos a mordida
que Selene vai fazendo acontecer,
escondendo uma parte do disco solar
e ampliando essa mordida....:
uma abocanha negra
que invade o amarelado intenso do nosso astro-rei!

A natureza parece acompanhar esse andamento da Lua
porque galinhas e pássaros procuram por seus abrigos,
os mosquitos insistem em se fazerem presentes
e em nos picar
- ora, por que não?, 
afinal o dia parece estar terminando
e a noite parece estar chegando!

De repente, não mais do que de repente,
 o disco da Lua
efetivamente 
esconde todo o disco do Sol
e uma espécie de escuridão intensa
e de um anil pretejante
acontece nas vizinhanças do evento!

Estrelas surgem, planetas próximos revelam-se...,
enquanto as bordas dos horizontes circundantes
mostram-se ainda iluminadas
com um tom amarelado rosado avermelhado...



See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.
A Total Solar Eclipse of Saros 145 
Image Credit & CopyrightTunç Tezel (TWAN), Alkim Ün

https://apod.nasa.gov/apod/ap170811.html




E entre os horizontes 
e o lugar onde o eclipse está acontecendo
existe um entremear desses tons
com um azul que começa palidamente
mas que vai escurecendo, escurecendo,
até se tornar um anil profundo...,
que, por sua vez,
torna-se um preto difuso
e com um disco mais negro ainda,
porém bordado em brancos e dourados e prateados
que insistem em nos dizer
que é o Sol que ali se esconde
por detrás da Lua!  




Stellarium



Pena que sempre o eclipse total solar
seja tão rápido...
e passa tão depressa
e mal começa
e já acaba...

Mas, quando termina o eclipse total
outro espetáculo nos faz soltar um gritinho de emoção:
é o Anel de Diamante,
o momento exato exato
quando a Lua 
começa a deixar o Sol,
como se estivesse escorregando...,
lamentando, porém...,
e tudo o que queremos ou queríamos
é que a Lua não deixasse jamais o Sol...,
mas acontece o Anel de Diamante!

Podemos até pensar
que o Anel de Diamante
é testemunha do compromisso firmado
pelo encontro
entre Sol e Lua!

E também o Anel de Diamante
passa tão rápido!
E quando passa,
vai novamente fazendo acontecer
o retorno da luminosidade do Sol...,
e todo o cenário deste palco celeste

Stellarium



Os mosquitos voam, escondem-se nem sei onde,
as galinhas e os pássaros saem de seus ninhos,
ainda entontecidos pela noite tão fugaz!

O dia retoma seu lugar
como se nada houvesse acontecido!

No entanto,
a visão de um eclipse total solar,
a visão do corpo da Lua escondendo por inteiro o corpo do Sol
é algo tão fantástico, tão inesquecível,
que nossa mente e nosso coração
carregam para sempre
conosco!






Nesta Postagem, Caro Leitor,
encontre alguma informação
sobre este memorável Eclipse Solar Total
bem como
sobre o Eclipse Parcial Solar
acontecendo para as regiões
centrais e ao norte de nosso país.

Encontre também
Links de acesso
para saber mais e mais
sobre este memorável Eclipse
e seu Ciclo Saros 145
e ainda
sobre sua observação
Online.

E se você quiser
saber mais sobre eclipses solares
e sobre o ciclo Saros,
acesse nossa Postagem sobre estes Temas
em


Com um abraço estrelado,
Janine Milward





ALGUMA INFORMAÇÃO
SOBRE O MEMORÁVEL
ECLIPSE TOTAL DO SOL
EM 21 DE AGOSTO





Para nós,
no Brasil:

Visibilidade do eclipse solar parcial de 21-08-2017 no Brasil. O fenômeno varia entre 41% de parcialidade em Macapá-AP, na Região Norte do país. E apenas 0,5% em Goiânia-GO, na Região Centro-Oeste.





Visibilidade do eclipse solar parcial de 21-08-2017 no Brasil. O fenômeno varia entre 41% de parcialidade em Macapá-AP, na Região Norte do país. E apenas 0,5% em Goiânia-GO, na Região Centro-Oeste.

SAIBA MAIS SOBRE A VISIBILIDADE 
DO ECLIPSE SOLAR PARCIAL
NO BRASIL
ACESSANDO





SE VOCÊ QUISER OBSERVAR
 O ECLIPSE TOTAL DO SOL
ONLINE
ACESSE






PARA A AMÉRICA DO NORTE







The <em>Total Eclipse of the Sun, Forever® stamp</em> transforms into an image of the Moon from the heat of a finger. Espenak shot the eclipse photo from Jalu, Libya in 2006, while the Full Moon image was made from his observatory in Portal, Arizona in 2010. The stamp commemorates the total solar eclipse of August 21, 2017 that crosses the USA.

The Total Eclipse of the Sun, Forever® stamp transforms into an image of the Moon from the heat of a finger. Espenak shot the eclipse photo from Jalu, Libya in 2006, while the Full Moon image was made from his observatory in Portal, Arizona in 2010. The stamp commemorates the total solar eclipse of August 21, 2017 that crosses the USA.
http://www.astropixels.com/blog/2017/05/2017-eclipse-stamp/


Saros Series 145

Introduction

The periodicity and recurrence of solar eclipses is governed by the Saros cycle, a period of approximately 6,585.3 days (18 years 11 days 8 hours). When two eclipses are separated by a period of one Saros, they share a very similar geometry. The two eclipses occur at the same node[1] with the Moon at nearly the same distance from Earth and at the same time of year. Thus, the Saros is useful for organizing eclipses into families or series. Each series typically lasts 12 to 13 centuries and contains 70 or more eclipses. Every saros series begins with a number of partial eclipses near one of Earth's polar regions. The series will then produce several dozen central[2] eclipses before ending with a group of partial eclipses near the opposite pole. For more information, see Periodicity of Solar Eclipses.

Statistics for Solar Eclipses of Saros 145

Solar eclipses of Saros 145 all occur at the Moon’s ascending node and the Moon moves southward with each eclipse. The series began with a partial eclipse in the northern hemisphere on 1639 Jan 04. The series will end with a partial eclipse in the southern hemisphere on 3009 Apr 17. The total duration of Saros series 145 is 1370.29 years. In summary:
                      First Eclipse =   1639 Jan 04   04:56:19 TD
                       Last Eclipse =   3009 Apr 17   12:39:22 TD

                      Duration of Saros 145  =  1370.29 Years
Saros 145 is composed of 77 solar eclipses as follows:
Solar Eclipses of Saros 145
Eclipse TypeSymbolNumberPercent
All Eclipses-77100.0%
PartialP3444.2%
AnnularA11.3%
TotalT4153.2%
Hybrid[3]H11.3%
Umbral eclipses (annular, total and hybrid) can be further classified as either: 1) Central (two limits), 2) Central (one limit) or 3) Non-Central (one limit). The statistical distribution of these classes in Saros series 145 appears in the following table.
Umbral Eclipses of Saros 145
ClassificationNumberPercent
All Umbral Eclipses43100.0%
Central (two limits)4297.7%
Central (one limit)12.3%
Non-Central (one limit)00.0%
The following string illustrates the sequence of the 77 eclipses in Saros 145: 14P 1A 1H 41T 20P
The longest and shortest central eclipses of Saros 145 as well as largest and smallest partial eclipses are listed in the below.
Extreme Durations and Magnitudes of Solar Eclipses of Saros 145
Extrema TypeDateDurationMagnitude
Longest Annular Solar Eclipse1891 Jun 0600m06s-
Shortest Annular Solar Eclipse1891 Jun 0600m06s-
Longest Total Solar Eclipse2522 Jun 2507m12s-
Shortest Total Solar Eclipse1927 Jun 2900m50s-
Longest Hybrid Solar Eclipse1909 Jun 1700m24s-
Shortest Hybrid Solar Eclipse1909 Jun 1700m24s-
Largest Partial Solar Eclipse2666 Sep 20-0.91862
Smallest Partial Solar Eclipse1639 Jan 04-0.00094

Acknowledgments

The information presented on this web page is based on data published in Five Millennium Canon of Solar Eclipses: -1999 to +3000and Five Millennium Catalog of Solar Eclipses: -1999 to +3000. The individual global maps appearing in links (both GIF an animation) were extracted from full page plates appearing in Five Millennium Canon by Dan McGlaun. The Besselian elements were provided by Jean MeeusFred Espenak assumes full responsibility for the accuracy of all eclipse calculations.
Permission is freely granted to reproduce this data when accompanied by an acknowledgment:
"Eclipse Predictions by Fred Espenak (NASA's GSFC)"



E é certo que vários sites e alfarrábios
já estão preparados
para orientar-nos
nesse espetáculo
e um deles
pode ser acessado 
em





2017 August 11
See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.
A Total Solar Eclipse of Saros 145 
Image Credit & CopyrightTunç Tezel (TWAN), Alkim Ün
Explanation: A darkened sky holds bright planet Venus, the New Moon in silhouette, and the shimmering corona of the Sun in this image of a total solar eclipse. A composite of simultaneous telephoto and wide angle frames it was taken in the path of totality 18 years ago, August 11, 1999, near Kastamonu, TurkeyThat particular solar eclipse is a member of Saros 145. Known historically from observations of the Moon's orbit, the Saros cycle predicts when the Sun, Earth, and Moon will return to the same geometry for a solar (or lunar) eclipse. The Saros has a period of 18 years, 11 and 1/3 days. Eclipses separated by one Saros period belong to the same numbered Saros series and are very similar. But the path of totality for consecutive solar eclipses in the same Saros shifts across the Earth because the planet rotates for an additional 8 hours during the cycle's fractional day. So the next solar eclipse of Saros 145 will also be a total eclipse, and the narrow path of totality will track coast to coast across the United States on August 21, 2017.


Stellarium

2017 August 13
See Explanation.  Clicking on the picture will download
 the highest resolution version available.
Detailed View of a Solar Eclipse Corona 
Image Credit & Copyright: Miloslav Druckmüller (Brno U. of Tech.), Martin Dietzel, Peter Aniol, Vojtech Rušin
Explanation: Only in the fleeting darkness of a total solar eclipse is the light of the solar corona easily visible. Normally overwhelmed by the bright solar disk, the expansive corona, the sun's outer atmosphere, is an alluring sight. But the subtle details and extreme ranges in the corona's brightness, although discernible to the eye, are notoriously difficult to photograph. Pictured here, however, using multiple images and digital processing, is a detailed image of the Sun's corona taken during the 2008 August total solar eclipse from Mongolia. Clearly visible are intricate layers and glowing caustics of an ever changing mixture of hot gas and magnetic fields. Bright looping prominences appear pink just above the Sun's limb. A similar solar corona might be visible through clear skies in a thin swath across the USA during a total solar eclipse that occurs just one week from tomorrow.



COM UM ABRAÇO ESTRELADO,
Janine Milward